segunda-feira, 7 de junho de 2010

Ao peito

Quiçá o peito saber partir
Sem que deixe, de onde parte - parte de si
E quiçá também saiba o peito
Em quais outros fará teu leito.

Quiçá saiba porque parte,
És arcanjo e carrasco de teus cantos.
Ah peito! Quiçá saiba porque bates
Forte e partes chorando risos tantos.

Quiçá tu saibas onde chegas,
O chão que pisas, as nuvens que voas.
Quiçá tu saibas das quimeras que domas
E por vezes saibas de teu domador.

Quiçá um dia tu saibas,
Mas que não seja logo.
Misterias o sabor do não-saber:
Vá partido, vá chegando.

Um comentário:

barbara disse...

Efêmero; se durasse seria perfeito.