quinta-feira, 29 de julho de 2010

Ser

Tudo me parece tão (bio)lógico,
que em versar hesito.
Somente sou esta química
que ecoa trágica
caótica
-das vísceras-
de meu teimoso ser?
Em ver essência
na crua existência
do globo ocular lacrimoso.
É sal e água,
mas há de ser alma,
no rosto de quem ama.
É só - grafite e grafia,
mas há de ser alma,
nas mãos de quem poesia.

3 comentários:

Lari Albuquerque disse...

Pedrinho!
Lindo teu blog, amei tuas escritas.
Obrigada pela visintinha volte sempre. Estou te segindo tbm.

Bjos

Where words turn meanings disse...

Nossa amei essa , principalmente "mas há de ser alma no rosto de quem ama", muito bem escrita =)alias gostei muito do seu blog no geral( vi na comunidade eu escrevo poesia) to seguindo!=P

Anônimo disse...

Obrigado =D / pedrinho